Home / Informações / Cadeia Alimentar Da Capivara E Alimentação

Cadeia Alimentar Da Capivara E Alimentação

A capivara é habitante de quase todos os países da América do Sul, com exceção somente do Chile.

Com a identidade de um dos países em que se encontra, o Brasil, seu nome em Tupi Guarani, significa comedora de capim.

Capivara Comedora Não Só De Capim

Com um significado de nome tão sugestivo, podemos adentrar a sua alimentação herbívora que é composta de espécies de gramas, terrestres ou aquáticas, compatível ao seu habitat de pastagem e as águas, se encontrando em rios, lagos, represas e pântanos.

Quando imaginamos um animal que se alimenta somente de gramas, podemos pensar que é uma alimentação pobre, composta somente de capim, com exceção de algumas poucas outras gramas, mas ao contrário do que se pensa, podem se alimentar de mais de vinte espécies de gramas, cinco de plantas aquáticas, entre outras, como arbustos, o que no caso das capivaras, dá conta de as deixar fortes como são, como o maior animal entre os roedores, mas não é a toa, já que têm preferência por gramas mais proteicas.

Capivara Alimentação
Capivara Alimentação

Em época de seca, esta mesma seleção não é possível, sendo assim adquirem o hábito, talvez considerado um tanto nojento por nós, de se alimentar das próprias fezes para absorver o tanto de proteína necessária para a sua sobrevivência.

A capivara é um animal muito adaptável, tanto que podem ser consideradas pragas, mas quando citamos a sua adaptação não é somente quanto aos seus habitats naturais alterados pelo homem, mas consequentemente quanto a sua alimentação também.

Quando adaptadas as plantações, podem se alimentar das mesmas, sejam folhas, como verduras ou vegetais mais densos, como frutas e legumes, inclusive este é um dos motivos pelos quais são consideradas pragas, por esta atitude acabar modificando as produções de seus agricultores.

Cadeia Alimentar, Hora amiga

Como muitos outros animais selvagens na natureza, além de sua alimentação própria, dentro da cadeia alimentar, são presas de outras espécies de animais carnívoros e são hospedeiras de parasitas que servem de alimento para alguns outros.

As capivaras têm uma relação muito amistosa com muitas espécies de pássaros, uma relação de ajuda mútua, em que os pássaros se alimentam dos parasitas que são hospedeiras, conhecidos popularmente como carrapato estrela e que as usam como poleiros e enquanto as capivaras caminham ou nadam, espantam insetos, que os servem de alimentação, literalmente, juntando o útil ao agradável.

Capivara Cadeia Alimentar
Capivara Cadeia Alimentar

Esta relação é quando a capivara vive em seu habitat que naturalmente têm estas espécies de pássaros para uma convivência e troca mútua de serventia uma para a outra. Quando as capivaras têm que se adaptar a modificações de seus habitats naturais pelo ser humano, infelizmente a natureza não tem esta mesma capacidade de adaptação e este é mais um dos motivos pelos quais são consideradas pragas.

Em alguns casos, em suas adaptações, continuam sendo hospedeiras do parasita carrapato estrela, mas não têm os pássaros que se alimentam do mesmo, assim podem transmitir a febre maculosa para os moradores das regiões em que se adaptaram. Neste caso, tratamentos e castrações são os meios mais assertivos de sanar essa problemática e proteger a saúde dos moradores, o que muitas vezes acaba sendo uma ação barrada pela burocracia legal do nosso país.

Há casos em que matanças de capivaras foram autorizadas como meio possível de resolução de tal situação.

Cadeia Alimentar, Hora Presa

Os seus predadores também não têm esta mesma capacidade adaptativa, desta forma a sua população só tende a crescer. Na natureza estes são espécies de felinos, como onças e leopardos, espécies de répteis, como as cobras e os jacarés e também espécies de aves de rapina.

Alguns predadores veem os filhotes das capivaras como presas mais fácies e eles acabam sendo suas vítimas, mas para isto não acontecer, os mesmos contam com a proteção de suas mães e do grupo em que convivem, composto pelos machos também, que diante de alguma ameaça se juntam os protegendo ou se comunicam, vocalizando, alertando um ao outro sobre ameaças e meios instintivos de defesas.

Capivara Criação
Capivara Criação

O ambiente em que passam boa parte do seu tempo em seu hábito diurno, nas águas, seja rio, lago, lagoa ou represa, também são meios de se protegerem de seus predadores que são em sua maioria, terrestres, quando os avistam, têm a capacidade de nadar em grande velocidade ou mergulhar como forma de se camuflar. As capivaras também podem ser caçadas por seres humanos para a obtenção da sua carne e da sua pele ou couro, como muitos outros animais.

No Brasil esta caça não é comum, até porque caças a animais silvestres não são permitidas legalmente. Mas em outros países, como a Venezuela, este hábito é mais comum e a carne da capivara se tornou querida por alguns consumidores. Caracteristicamente, a carne da capivara têm o cheiro muito forte e há quem não consiga consumir por isto, por outro lado há quem aprecie o seu sabor e não vejam o seu cheiro como um eventual empecilho de consumo. Já a pele da capivara como a de outros animais mais comuns, acaba servindo para a produção dos mesmos produtos. Há também quem cace por hobbie, o que também é mais cultural em outros países, especialmente nos países americanos. Mas as capivaras também podem se adaptar a caças humanas, invertendo o seu hábito diurno para noturno como forma de se defender ou proteger.

Capivaras São Pragas, Mas Não Por Isso…

Quem sabe da informação de que a capivara pode ser considerada praga, pode associar este fato a sua capacidade reprodutiva, não considerando todas as outras questões para que isto ocorra. A reprodução delas certamente não é o fator principal diante de todos os outros para que se tornem pragas. Se fôssemos entrar nesta questão, podemos dizer que a capivara não se reproduz como um animal que se torna praga por este motivo, aliás, são os roedores que tem o período gestacional mais longo, de cinco meses, que junto a sua amamentação, com cerca de quatro meses, somam nove meses. Geralmente geram quatro filhotes por reprodução e se reproduzem raramente mais de uma vez ao ano.

Podemos perceber então que a sua capacidade reprodutiva não é de outro mundo e todos aqueles filhotes convivendo juntos são reproduções de todas as fêmeas do grupo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *