Home / Informações / Orangotango Pongo De Abelii: Curiosidades E Nome Científico

Orangotango Pongo De Abelii: Curiosidades E Nome Científico

Pongo abelii, é exatamente este o nome científico do mais conhecido como orangotango de Sumatra. Dado o seu nome científico, vamos a algumas dentre as muitas das suas curiosidades. Justo citarmos como primeira curiosidade a que dá origem ao seu nome, ou seja, o seu habitat. Mas como assim? Nós explicamos! As florestas tropicais e pântanos que habitam são na ilha de Sumatra, isto mesmo, com o mesmo nome da sua espécie de orangotango.

Orangotango Pongo De Abelii: Sobreviventes Arborícolas

Logo de cara, a segunda curiosidade também é quanto ao seu habitat, junto a outra espécie de orangotango, o que assim como ela tem o mesmo nome da ilha em que habita, o orangotango de Bornéu, habitante de ilha de Bornéu, são as únicas espécies de primatas com o habitat fora da África, mais especificamente na Indonésia, onde se encontram as respectivas ilhas, no continente asiático. Os outros primatas como os conhecidos gorilas e chimpanzés, são todos habitantes da África.

Orangotango Pongo De Abelii
Orangotango Pongo De Abelii

Como o que se é de imaginar, antigamente a população de orangotangos de Sumatra se estendia por toda a ilha de Sumatra, mas atualmente como o previsto, desmatamentos e destruição do seu habitat são os responsáveis pela diminuição da sua população, ficando mais concentrada ao norte da ilha. A outra espécie de orangotango, a de Bornéu, também é classificada como ameaçada de extinção, mas superando este fato, a espécie de orangotango de Sumatra se encontra em maior ameaça, com um população menor, com menos indivíduos sobreviventes e maior destruição e desmatamento do seu habitat.

O principal fator que leva a tais atitudes humanas na ilha de Sumatra, é a extração do óleo de palma, produto especificamente muito rico na região, além de outras plantações e outras extrações, como o minério, ou até mesmo construções de fazendas, sítios ou áreas habitacionais.

A Importância Das Árvores Para Preservação Do Orangotango Pongo De Abelii

Tais árvores desmatadas são essenciais para a sobrevivência dos orangotangos de Bornéu, isto porque é da mesma que retiram a principal fonte da sua alimentação, cascas, folhas, frutos e sementes, além do que é onde passam a maior parte do seu tempo, onde constroem seus ninhos e até mesmo como os constroem, que é a base de materiais retirados das mesmas árvores, como cascas, galhos e folhas. Além do fato de naturalmente e instintivamente serem mamíferos arborícolas, as florestas tropicais e os pântanos que habitam na ilha de Bornéu, têm o chão repleto de lama, o que colocaria a sua habilidade de sobrevivência em risco.

Outro fator é que por preferirem a altura das árvores, consequentemente acabam se protegendo de seus predadores que também habitam esta ilha, como os tigres, por exemplo. Claro que por também habitarem a ilha de Bornéu, tais espécies de tigres também se encontram classificados em ameaça de extinção, assim como os outros animais habitantes da mesma área, como espécies de elefantes, rinocerontes e até outras espécies menores de macacos.

Tratadores Que Fazem Papel De Mãe

Mas focando no animal que estamos falando, os sobreviventes de orangotangos de Bornéu diante do desmatamento da ilha, são protegidos por organizações com o fim de preservar a sua espécie. Nestas organizações os animais resgatados de caças ilegais são capacitados a serem reintroduzidos na natureza. A maior população destas organizações são de filhotes de orangotangos de Sumatra órfãos, seja de mães que foram vítimas de caça, predadores ou morta naturalmente. Neste caso os tratadores dos cativeiros acabam fazendo literalmente o papel de mães destes filhotes órfãos. Não só pelo fato de terem perdido suas mães, mas por serem totalmente dependentes até cerca dos oito anos de vida para conseguirem sobreviver na natureza sozinhos.

Orangotango da Sumatra
Orangotango da Sumatra

Quando não são órfãos e convivem com suas mães, estes oito anos são de aprendizado, através da observação e repetição de como sobreviver na natureza selvagem, escalando árvores, pulando de uma para outra, se pendurando de galho em galho, construindo seus ninhos, caçando seus alimentos, os descascando, conseguindo se alimentar de suas sementes, se protegendo dos seus ameaçadores predadores tigres, dentre tantos outros ensinamentos. Mas quando são finalmente reintroduzidos na natureza após resgate, cuidados e criação em cativeiro, também são capazes de sobreviver através de todos estes ensinamentos terem sido passados com todo amor e carinho por seus tratadores.

Triste imaginar que uma relação tão cheia de troca não aconteça mais depois de oito anos, mas é como o que acontece quando somos pais no que diz respeito a vida dos nossos filhos.

Quando se desenvolvem na natureza com suas mães, a despedida não é um adeus como o caso anterior e durante a vida adulta, voltam a visitar a responsável por toda a sua independência de tempo em tempo.

Primatas Parecidos Conosco

Afinal, eles não são parecidos conosco somente neste aspecto e nem é o fato de ambas espécies de orangotangos terem incríveis noventa e sete porcento dos nossos mesmos genes.

Para muito além da sua aparência parecida com a nossa, como seu porte, altura de até um metro e quarenta para os machos e noventa centímetros para as fêmeas e peso de até quarenta quilos para as fêmeas e até noventa para os machos e especialmente seu olhar, os orangotangos têm o período gestacional de nove meses assim como nós, mas o período de amamentação é bem mais longo, no caso do orangotango de Sumatra, é até os três anos de idade.

Primatas Parecidos Conosco
Primatas Parecidos Conosco

A sua fase dependente de cerca de oito anos é o mesmo período de intervalo de uma reprodução para outra, o que interfere na sua ameaça de extinção. Outra contribuição é que em cada reprodução normalmente gera somente um filhote, muito raramente no máximo dois. Sua expectativa de vida é longa, dos surpreendentes cinquenta a até sessenta anos de vida.

Fazendo as contas podemos concluir que cada fêmeas reproduz cerca de somente sete filhotes durante toda a sua vida. Assim podemos ter mais noção do quanto tais organizações com o fim de preservar a sua espécie são necessárias para realmente atingir o seu objetivo, pois dependendo somente da sua capacidade reprodutiva, diante da matança de suas mães para a caça de seus filhotes e desmatamentos não seria possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *