Home / Informações / Tudo Sobre Cobras e Serpentes: Características e Venenos

Tudo Sobre Cobras e Serpentes: Características e Venenos

O termo “cobras” é uma designação popular para designar “serpentes”, sendo também uma expressão comum usado pelos europeus para tratar de espécies asiáticas do gênero Naja, que são conhecidas como “cobras típicas”. Das 400 espécies existentes no Brasil, apenas 55 delas são venenosas, sendo a Jararaca destaque entre elas, já que 90% dos casos de picada de cobra são por feitas uma dessa espécie. Apesar disso, dentre as cobras brasileiras a cascavel a é mais perigosa delas, abordaremos melhor cada espécie adiante. A diferenciação entre espécies peçonhentas e não-peçonhentas é feita a partir de uma análise da dentição, sendo que existem quatro tipos da mesma:

Cobras e Serpentes
Cobras e Serpentes

Áglifa

Esse tipo de dentição não apresenta aparelho inoculador de peçonha, neste caso os dentes são maciços e as serpentes atacam por constrição. Um bom exemplo de espécie com este tipo de dentição é a jibóia e também a sucuri.

Proteróglifa

As serpentes com este tipo de dentição apresentam dois dentes inoculadores de peçonha noa parte inferior do maxilar superior, não retráteis e extremamente fortes. A coral verdadeira  e as serpentes marinhas são bons exemplos disto.

Proteróglifa
Proteróglifa

Opistóglifa

Esse tipo de dentição é característico de determinadas espécies de serpente cujos dentes inoculadores de peçonha estão na parte posterior do maxilar superior, apresentando pouco perigo para o ser humano. Essa é a dentição da muçurana e também da falsa coral.

Opistóglifa
Opistóglifa

Solenóglifa

As serpentes pertencentes a este grupo possuem inoculadores de uma potente peçonha citotóxica, hemotóxica e/ou neurotóxica, além de dois dentes retráteis localizados na parte anterior do maxilar superior. Neste caso é necessário extrema cautela, pois as cobras deste grupo podem ser fatais para o ser humano. Seus dentes são projetados para fora durante o ataque, permitindo ao animal inocular uma quantidade de peçonha maior do que serpentes das famílias anteriores, o que agrava ainda mais as consequências da picada.

Solenóglifa
Solenóglifa

As Espécies Mais Venenosas do Mundo

Sua característica fisiológica mais marcante são os chocalhos presentes na ponta da cauda, cada anel componente indica quantas vezes a cobra trocou de pele, o que possibilita também calcular a idade da mesma. Elas são da família da jararaca e também a única serpente americana da lista, sendo que seus filhotes são ainda mais perigosos que as cobras adultas, por conta da incapacidade de controlar a quantidade de veneno injetado, podendo despejá-lo em maior quantidade durante uma mordida que uma cobra com mais anos de vida.

Cascavel 

O veneno da cascavel é hematóxico, o que significa que ele é capaz de destruir órgãos, tecidos e também causar coagulopatia (interrompimento da coagulação do sangue). Cicatrizes são inevitáveis durante uma picada e mesmo com tratamento imediato é possível que haja a perda de algum membro durante a picada sendo possível também que o paciente seja levado à morte. Os sintomas da picada são paralisia, salivação, hemorragias e dificuldade em respirar, o melhor a ser feito é procurar atendimento especializado o mais rápido possível, pois quando o antídoto é aplicado a tempo, a taxa de mortalidade cai para perto de 3%.

Taipan do Interior 

Também conhecida como “cobra de barriga amarela”, essa espécie possui o veneno mais tóxico do mundo entre as cobras terrestres, sendo suficiente para matar aproximadamente 100 seres humanos ou 250.000 ratos com a quantidade máxima despejada numa mordida já registrada, que foi a de 110 mg. Ela é muito mais venenosa que a cascavel e naja comum juntas, mas felizmente raramente é encontrada pelo homem na natureza. Seu habitat comum é o deserto australiano.

Serpente Marinha de Bico 

Assim como a taipan é a pior das espécies terrestres que pode ser encontrada, essa cobra marinha encontrada nas águas do norte da Austrália e no sudeste asiático é a serpente mais venenosa conhecida até então. Algumas miligramas de seu veneno seriam suficientes para matar 1.000 pessoas de uma única vez, mas apesar disso, menos de 25% de suas mordidas contém o veneno e elas têm um temperamento relativamente dócil.

 

Cobra Marrom 

Essa cobra que costuma viver na Austrália pode ser muito agressiva e também se mover rapidamente em determinadas circunstâncias. O fato de ela ser rápida a torna um pouco perigosa, já que seu veneno possui neurotoxinas e coagulantes de sangue. Mas apesar disso, apenas metade das mordidas contem de fato o veneno e elas preferem não morder, reagindo ao movimento como tentativa de intimidar ao oponente. Se encontrá-la, procure ficar parado caso ache que não seja capaz de correr o suficiente.

Naja Cuspideira 

Há muitos tipos diferentes de naja, mas a cuspideira é a pior delas. Seu veneno é o mais mortal se comparado ao das outras espécies dessa mesma família e o mais interessante é que elas são capazes de espirrá-lo até 3 metros de distância. Ele na verdade é uma neurotoxina que afeta a função cardíaca e respiratória, podendo causar paralisia respiratória, neurotoxicidade e até mesmo a morte em menos de uma hora.

Serpente Tigre 

A pressão de ataque dessa serpente, que possui um veneno neurotóxico muito potente, é muito precisa. A morte por uma picada de uma cobra dessa espécie acontece entre 6 e 24 horas após a mordida, tempo suficiente para buscar ajuda e também um antídoto. Ela prefere fugir a picar, mas se for encurralada torna-se muito agressiva. Sua aparência é um tanto quanto estranha.

Mamba Preta 

Ela pode ser encontrada em diversas partes do continente africano, mas não queira ter este desprazer, afinal elas são as cobras terrestres mais rápidas de todo o mundo, podendo atingir velocidades de até 20 km/h. Uma única mordida dela pode matar de 10 a 25 adultos e o pior é que ela pode atacar por até 12 vezes consecutivas. Seu  veneno é uma neurotoxina de ação rápida e sua mordida fornece de 100 a 120 mg de veneno em média, sendo que em seres humanos uma quantidade de 0,25 mg/kg é o suficiente para a morte se o veneno atingir uma veia. O primeiro sintoma após a picada é um formigamento local não tão grave quanto de cobras com venenos hemotóxicos, mas se ele não for tratado a tempo, irá se agravando cada vez mais, até que a vítima sofre de choques, paralisia, parada respiratória, coma e morte, que pode vir em 15 minutos, dependendo da quantidade de veneno injetado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *