Home / Informações / Tudo Sobre Formigas e o Formigueiro

Tudo Sobre Formigas e o Formigueiro

Elas não possuem chifres, mandíbulas enormes, garras assustadoras e também não têm outros aparatos que outras espécies ostentam, pelo contrário, olhando de cima elas parecem bem inofensivas e têm uma picada que causa no máximo uma reação alérgica. Mas não se engane, elas são espertas, são fortes (e você verá o porquê) e sabem trabalhar em grupo muito melhor que nós humanos, sendo esse o motivo de já formarem a sociedade mais evoluída da Terra há quase 10 milhões de anos e para entende-las é necessário antes parar de olhar de cima.

Lições a Serem Aprendidas com Elas

  • A colônia é um organismo só e para exemplificar isso, analisaremos as formigas saúvas.
  • O herói de Mário de Andrade, Macunaíma já dizia que: “pouca saúde e muita saúva, os males do Brasil são” e eles estava certo, pois as 200 espécies do gênero Atta são o maior grupo de formigas do Brasil. Além disso, podem se gabar também de ser o mais complexo do mundo, com galerias, túneis e câmaras;
  • É com uma rainha criada em outra colônia que o formigueiro começa, ela já acasalou e está em busca de um novo lar. Assim que o encontra, bota seus ovos e feito isso, comanda a colônia. Ela solta um feromônio para orientar as operárias responsáveis pela comida quando percebe que está prestes a faltar alimento e outros comandos semelhantes.
  • As operárias põem ordem na casa e se desenvolvem, cada uma fica responsável por um papel, que é a essência da eussocialidade – tendência de quando um grupo de insetos forma na prática um só organismo.  As operárias cavam buracos e túneis, que virão a ser as câmaras do formigueiro, algumas servirão para guardar restos de folha, cadáveres de outras formigas e até lixo.
Formigas
Formigas
  • A rainha também cria novas rainhas em potencial, novas tanajuras e também bitus, que são os machos. Tanto um quanto outro sai em revoada em busca de parceiros, mas o bitu morre depois que a missão é cumprida e menos de 1% das tanajuras consegue seu próprio ninho.
  • As larvas se transformam em pupas até 20 dias depois de saírem dos ovos, elas se parecem com formigas adultas, mas não comem nem andam. Essa fase dura até dez semanas e esse estágio pode ter várias delas. As pupas de cada fase podem ser transportadas para câmaras específicas para se desenvolver.
  • Apesar de as saúvas cortarem folhas, elas são incapazes de comê-las a seco, sendo elas carregam as mesmas para dentro e fazem uma espécie de jardim de fungos – é por isso que não as vemos comendo as folhas na nossa frente. Os fungos eliminam substâncias das folhas que fazem mal às formigas e digerem a celulose. São esses fungos que servem de alimento para elas, que são grandes agricultoras.

As Divisões no Formigueiro de Acordo com o Tamanho

Larvas e Pupas (até 1 mm) – ela passa três semanas comendo às custas das operárias e é a alimentação quem define seu futuro, já que pode definir sua função como operária generalista, cortadeira ou ela pode virar um soldado.

Operária Generalista (1,5 mm) – elas ficam encarregadas do serviço doméstico, que inclui limpar os ninhos e cuidar dos ovos e das pupas.

Operárias Cortadeiras (2 mm) – elas ficam encarregadas de conseguir o almoço, são elas que formam as filas gigantescas de formigas carregando pequenos pedaços de folhas.

Operárias Cortadeiras
Operárias Cortadeiras

Operárias Soldados (3 mm) – elas estão sempre em guarda nas saídas do formigueiro, defendendo a colônia de formigas rivais e outros insetos caso seja necessário.

Bitus (3 mm) – eles são os únicos machos, vivem poucas semanas, nascem de ovos não fecundados da rainha e servem para ajudar a criar novas colônias, são “homens-objetos”.

Rainha (5 mm) – elas podem controlar o formigueiro inteiro e permanecerem botando ovos por até 20 anos e quando morrem, o formigueiro se dissolve.

Formiga Rainha
Formiga Rainha

A Magia do Pensamento Coletivo

  • Em regiões inundáveis da Amazônia, formigas-de-fogo, conhecidas também como lava-pés se juntam e com seus corpos formam uma espécie de bote improvisado. Esse, permite a sobrevivência de grupos de até 7 mil formigas, incluindo as larvas e a rainha e funciona bem porque elas têm a capacidade de repelir a água, essa é tão eficiente que mesmo que o “bote” seja empurrado para baixo, ele volta à tona.
  • Outro fator interessante é a dieta versátil que as formigas mantêm o que garante que elas possam explorar recursos diferentes de um ambiente sem limitação por especialização alimentar. Isso significa que diferente de outros animais, como o lagarto-de-chifres da Califórnia, por exemplo, elas não morrem quando o objeto de sua dieta é exterminado. Caso sua fonte de alimento acabe, elas se organizam para procurar outra, isso sem deixar o formigueiro desprotegido.
Formigueiro
Formigueiro
  • As características da colônia são transmitidas às futuras gerações em organismos eussociais como as formigas. Isso significa que o conceito de evolução se aplica ao coletivo e não somente ao individual. Formigas como as operárias, que não se reproduzem, têm mais tempo para se especializar em tarefas como buscar alimentos e defender o ninho. Essa capacidade de evoluir em grupo é na opinião dos biólogos um dos fatores que garantiram a sobrevivência das formigas por centenas de milhões de anos.
  • As relações simbióticas mantidas por elas são uma vantagem para todos, com milhares de artrópodes, microrganismos, fungos e mais de 400 espécies de plantas. Junto com os cupins e as minhocas, elas cumprem a tarefa de revolver o solo e enriquecê-lo com oxigênio. Até mesmo as formigas famosas por destruir folhas e flores, as cortadeiras, contribuem com o fungo que criam nos formigueiros, que acaba servindo de adubo para espécies de árvores como a embaúba, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *